17 de novembro de 2016

Faz frio aqui dentro (ainda)

Fonte: https://www.mensagenscomamor.com/amor-frio
Aqui dentro continua frio
O gelo derrete pouco a pouco
Em leves doses
Em demoradas prestações

O calor, ainda insuficiente
Para tão geladas condições

Ainda faz frio aqui dentro
Pois insiste-se que o sol não entre
As janelas, abertas esporadicamente
E o aquecedor, com defeito aparente

Não se confia
Não se espera
Não se quer aquecer de fato
Tem-se o medo de que o calor se imponha e queime.

Quando ela aflora

Quando aflora
A mais espinhosa flor
Recomenda-se distância
Pois, sem querer ferir-te
Ela não se pode conter
E à carne, fere profundamente

Quando aflora
A mais fina flor
Recomenda-se rara aproximação
Pois leve e frágil
Suas pétalas vão ao chão
Ao mais tenro toque

Se a mais suave, porém espinhosa flor aflora
O cuidado é redobrado
Pontiagudos, os espinhos te rasgam
Mas também a si mesma

Suas delicadas pétalas caem
Finas vestes encontrando a dureza de tais espinhos
Que explodem, um a cada vez
Ou todos juntos, desordenadamente

Tenta se conter
Mas controlar-se, para quê?
O autocontrole é imperfeito
Quando esta flor desponta

Necessária explosão
Algumas vezes exagerada
Dependendo apenas
Do que despertar seu aflorar

23 de agosto de 2016

Meu coração ainda dói

Não sei por que razão, se é que há,
mas sinto dores
que parecem vir da alma.

É meu coração, que ainda dói
quando algumas lembranças
vêm dissipar minha calma.

Meu peito estremece por dentro
como se atingido por uma bomba.
Seus efeitos, intensos
deixam-no frágil, triste, na penumbra.

Com a razão, tento curar minha dor.
Não consigo, no entanto.
Pensar causa-se mais horror.

Em silêncio, sinto sozinha.
Não compartilho, pois quem há de entender?
Há quem possa se fragilizar
e não quero fazer outro coração doer.

Peço que o tempo me ajude
que pare as lembranças ruins.
E quando eu já não mais as tiver
então meu coração pode bater, sim.

Livre, sossegado
sem mágoas ou traumas do passado.
Pronto para que o hoje o assuma.
Fora de perigo para, então, dar novos saltos.

14 de julho de 2016

A escolha

Fonte: http://rogeriabreves.blogspot.com.br/2013/10/blog-post_2005.html

Quero que meu coração
Escolha você (escolha você)
Tarefa bem difícil
Mas acho que vai acontecer
(Vai acontecer)

Cedo ou tarde, espero
Que você possa ficar
Bem guardado aqui dentro
E não sair mais
Porque eu preciso
Enfim descansar
Dessa jornada
de "nãos", "talvez", "quases" e "sei lá"

Quero que meu coração
Me permita escolher (me permita escolher)
Você, que comigo tem estado
E quer permanecer
(Quer permanecer)

Cedo ou tarde, espero
Que você possa entrar
E então aqui fique
E não saia mais
Porque eu preciso
Enfim repousar
Dessa luta
Entre "nãos", "talvez", "quases" e "sei lá"

Cedo ou tarde, espero
Que você possa ficar
Por semanas, meses, anos
Ou uma vida inteira

25 de fevereiro de 2016

Sobre sentir

Já desejei não sentir nada: nem dor, nem alegria, porque pensava que a dor seria sempre maior que os momentos mais lindos que eu pudesse viver.

Já desejei não me apaixonar, pois acreditava que o apego era o que mantinha a conexão entre duas pessoas, e sempre tive medo de me desconectar de alguém. Principalmente se fosse o outro a "desapegar" de mim.

Já desejei não mais chorar, mas também não mais sorrir, por crer que qualquer sorriso poderia ser apagado repentinamente do meu rosto.

Já desejei não desejar, por jamais acreditar que eu pudesse ter. 
Desejei o não, sempre o não, por ter muito medo do sim. E por ter receio de que o sim pudesse trazer-me alegria, ao passo que me trouxesse dor; paixão, mas brutal desapego; sorrisos, que poderiam ser tomados pelas lágrimas; desejos, que poderiam transformar-se em frustrações.

O que aprendi?
Que não sentir tornou-me inerte, dormente, um vegetal ambulante.
Que eu não vivia os momentos, não me permitindo experimentá-los. Não, sempre não.

Hoje, eu quero é sentir. E sentir muito. Pois a vida sem sentimentos é dura. É indiferente. É sem graça. 
Chega de nãos. Quero só sim.

3 de fevereiro de 2016

When I dance

Fonte: https://www.keepcalm-o-matic.co.uk/p/keep-calm-and-dont-stop-dancing-9/













When I dance, my body flies
And so does my spirit
When I dance, my soul becomes light
And my eyes shine bright
When I do not, I feel alive, although not free
When I do not, I feel safe, but not totally
Music is needed, it is food for thought
Dancing is needed, it is water for thirst
Because when I dance, I can be anynone
I magically become another,
But this "another" is who I am indeed
I must never stop dancing
For I do not want my life to end